Férias

  • Visitas: 399
Viajar ou não com o nosso melhor amigo
Viagens e férias  são o ponto mais sensível na vida de um animal. 
A melhor forma de tratar o seu animal neste periodo será deixá-lo num canil caso não tenha possibilidade de o levar consigo. Existem bastantes canis em Portugal de
qualidade. A melhor maneira de preparar as férias descansado é:
* Visitar várias instalações para escolher a mais adequada.
* Um canil bom terá locais de pensionato limpos e  bem iluminados com espaço para o cão fazer exercício.
* No preço deverá estar incluída a alimentação, salvo as excepções em que é necessária uma dieta especial. 
* Existem horas de visita para evitar incomodar os animais a toda a hora
* Nenhum canil idóneo aceita animais sem as vacinas em dia.
* Deverá haver assistência veterinária. Informe-se de quem assiste o canil onde vai deixar o cão.
* Faça a marcação com cerca de 15 dias de antecedência. No periodo de verão as reservas esgotam-se rapidamente. 
Viagens em Portugal
Para deslocação deve de antemão saber os médicos veterinários com serviço de urgências na zona para onde se desloca e fazer-se acompanhar do boletim de vacinas
do seu animal.
Existe uma lista nacional de hotéis que recebem animais de estimação, o Guia "Leva-me de férias" de autoria de Inês Guise, editado pela Artemágica Editores.
Você será responsável pelos danos que o seu animal de estimação possa causar, bem como de queixas de outros hóspedes, pelo que deverá informar-se
das condições e sua adequação ao seu animal com bastante antecedência.


Viagens na União Européia
O novo passaporte para animais de companhia,  entrado em vigor em Julho de 2004, vem facilitar as deslocações de quem viaje com animais. Todos os gatos e cães têm  de
possuir um, que é aceite em toda a UE como comprovativo da vacinação anti raiva. Poderá igualmente incluir pormenores do historial médico do animal.
Aconselhamos, tal como em Portugal, a ter de antemão um contacto de médicos-veterinários no páis para onde se desloca.
Para levar animais de estimação para a Irlanda, Reino Unido ou Suécia, existem por enquanto exigências adicionais, incluindo o teste de eficácia da vacina contra a
raiva.
Para mais informações pode consultar: http://europa.eu.int/comm/food/animal/liveanimals/pets/index_en.htm

Viagens de Avião:
As viagens de avião são de grande preocupação para os proprietários de um animal de estimação. Pode minimizar as hipóteses de ter uma experiência desagradável se seguir
alguns conselhos:
* As normas estabelecidas requerem que o animal tem de ter 8 semanas de idade e estar desmamado há 5 dias para que possa viajar de avião.
* São também exigidos Certificados de saúde e da vacina da raiva actualizados.
* Existem algumas normas especificas consoante a companhia aérea, pelo que deve consultar a mesma atempadamente. Em alguns casos, pode mesmo ser transportados ao colo, dependendo das normas e  especificação do piloto e de ter um peso inferior a 5 kg.
* Em voôs de longo curso informe-se sobre  as condições de transporte do animal . As transportadoras obedecem a normas de companhia para companhia, pelo que deverá ser
resistente, arejada, com espaço para o animal se movimentar.
 
Viagens de Carro:
* Se for de carro leve água para dar de beber ao seu cão ou ao seu gato. Faça pausas para os deixar fazer as necessidades e descansarem um pouco do stresse da viagem.
* Se o seu cão for grande é preferível que o transporte na parte traseira do veículo com uma rede separadora. Pode optar por um atrelado.
* Cães que enjoem necessitarão de uma passagem no veterinário assistente para estar prevenido com um anti-emético.
 
Viagens para Portugal

Entrada em Portugal de cães, gatos e furões como animais de companhia sem carácter
comercial 1), com proveniência de Países fora da UE 2)
Não é permitida a entrada dos animais em causa, provenientes de países fora da UE,
com menos de 3 meses de idade.
1 – Os animais de companhia, provenientes de Países fora de UE que não os referidos
em 2 e 3, estão sujeitos à apresentação de um Certificado Sanitário 3)
emitido/validado pela Autoridade Veterinária Oficial do país de proveniência que
comprove:
a) que o animal se encontra identificado mediante um sistema de identificação
electrónica (transponder) ou uma tatuagem claramente legível, devendo também
prever-se a indicação de dados que permitam conhecer o nome e endereço do
proprietário .
b) uma vacinação/revacinação anti-rábica válida, efectuada quando o animal tinha,
pelo menos 3 meses de idade, segundo as recomendações do laboratório de fabrico, com
uma vacina inactivada de, pelo menos, uma unidade antigénica por dose (norma OMS) .
c) uma titulação de anticorpos neutralizantes, pelo menos igual a 0,5 UI/ml,
efectuada num laboratório comunitariamente aprovado 4), com base numa colheita
realizada pelo menos trinta dias após a vacinação anti-rábica e três meses antes da
circulação, por um veterinário habilitado.
2 – Os animais de companhia provenientes de:
a) Andorra; Suíça; Islândia; Liechtentein; Mónaco; Noruega; São Marino; Estado da
Cidade do Vaticano 5);
ou de:
b) Ilha da Ascenção; Antígua e Barbuda; Antilhas Holandesas; Aruba; Barbados; Barém;
Bermudas; Canadá; Fiji; Ilhas Falkland; Croácia; Jamaica; Japão; Saint Kitts e
Nevis; Ilhas Caimão, Monserrate; Maurícia; Nova Caledónia; Nova Zelândia; Polinésia
Francesa; São Pedro e Miquelon; Federação Russa; Singapura; Santa Helena; Estados
Unidos da América; São Vicente e Granadinas; Vanuatu; Wallis e Futuna; Mayotte;
estão sujeitos à apresentação de Certificado Sanitário 3) emitido/validado pela
Autoridade Veterinária Oficial do país de proveniência , que comprove o cumprimento
das regras previstas em 1.a) e 1.b).
3 – Os cães e gatos provenientes da Austrália e da Malásia (Península) obedecem a
medidas de salvaguarda específicas, devendo ser consultada a Direcção Geral de
Veterinária.

Quanto aos furões, quando provenientes da Malásia (Península) aplica-se o ponto 1
supra, quando provenientes da Austrália aplica-se o ponto 2 supra.
Notas:
1) Que acompanhem o seu proprietário ou uma pessoa singular por eles responsável em
nome do proprietário e que não sejam destinados a venda ou transferência de
propriedade.
2) Desde que em número inferior ou igual a 5 animais. Para mais de 5 animais, deverá
ser consultada a Direcção Geral de Veterinária.
3) O certificado sanitário deverá ser acompanhado pelos originais ou cópias
autenticadas dos comprovativos das vacinações e, se for o caso, da titulação de
anticorpos
4) A lista de laboratórios aprovados deve ser consultada no site da UE com o
seguinte endereço:
http://europa.eu.int/comm/food/animal/liveanimals/pets/approval_en.htm.
5) As autoridades veterinárias dos países citados em 2.a), poderão optar pela
utilização de um passaporte em vez do certificado
Fonte : Direcção-Geral de Veterinária do Ministério da Agricultura, Pescas e Florestas.
Para maiores informações deverá ser contactada a

Direcção-Geral de Veterinária
Largo da Academia Nacional das Belas Artes, 2
1249-105 Lisboa
site: www.dgv.min-agricultura.pt
e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Fax: 00XX-351-21-346-3518
Telefones: 00XX-351-21-323-9500 ou 00XX-351-21-323-9696

Últimas em Adopções

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
Martinho

Martinho

dezembro 19, 2013 No comments

Lenny

Lenny

dezembro 19, 2013 No comments

Violeta

Violeta

dezembro 19, 2013 No comments

Náná

Náná

dezembro 19, 2013 No comments

Nani

Nani

dezembro 19, 2013 No comments

Matilde

Matilde

dezembro 19, 2013 No comments

Princesa

Princesa

dezembro 19, 2013 No comments

Faísca

Faísca

dezembro 7, 2013 No comments